Escrito por: Delacroix
Então, gente, desculpem a demora. Está aqui a continuação do especial sobre Seitas religiosas. A terceira parte. Bem, já que eu comecei assim, vou até o fim: vou reservar esse post para falar sobre mais dois grupos fanáticos-malucos-religiosos. Dessa vez, Los Illuminados (Resident Evil 4) e as práticas do Xintoísmo (Fatal Frame)

Los Illuminados - Resident Evil 4
Los Illuminados é a seita apresentada em Resident Evil 4, aquela dos caras engraçados e mal educados que se propagou em El Puebo, uma vilazinha espanhola. Como em Siren, a história se repete: um lugar pobre, isolado, um sacerdote maluco e centenas de fanáticos ensandecidos. Cenário ideal para o florescimento de qualquer seita religiosa. A verdade é que não há nada de extraordinário por trás do fanatismo de El Puebo, a não ser um parasita de milhares de anos que controla a mente das pessoas. O culto surgiu alguns séculos antes do Leon começar a causar na região. Seus membros cultuavam a Las Plagas, espécie de parasita que foi encontrado, fossilizado, naquele canto do mundo. E mais uma vez a coisa remete à Hanuda: uma forma de vida desconhecida que toma proporções apoteóticas. Esse negócio de endeusar qualquer coisa é recorrente na história da humanidade. A coisa não é diferente nos jogos de vídeo-game.

Em algum momento de sua história, o culto se fortaleceu ao ponto de incomodar os Salazar, a família que controlou El Puebo por séculos.  Preocupados, trancafiaram o objeto de adoração dos Los Illuminados nas profundezas do seu castelo. A seita só foi capaz de se reaproximar da Las Plagas fossilizada durante a regência de Ramon Salazar, sujeitinho estranho que sucumbiu aos encantos de Saddler, o líder do culto.   

O jogo não deixa claro sobre como se comportava o grupo antes de os eventos da trama começarem. Controlando leon, já nos deparamos com a merda feita: Saddler manda no pedaço e todo mundo está infectado pela Las Plagas. Nos créditos, temos um vislumbre de como era a vida em El Puebo antes de a seita alcançá-la. Mas não vemos exatamente como era o culto, como seus membros se organizavam, de que maneira ele surgiu, quais rituais praticava etc. A impressão que eu tenho é a de que já existia uma manifestação religiosa forte naquele lugar antes da descoberta da Las Plagas e do advento de Saddler como sumo-sacerdote. Com toda certeza, essa doutrina original deveria ser o catolicismo. A Espanha é – e foi durante séculos – um dos países mais católicos que existe (durante a idade média ela era governada pelos Reis Católicos; isso diz muito). O país ibérico esteve na vanguarda durante o auge da Inquisição, “contribuindo” para o extermínio das doutrinas heréticas e de todos aqueles que a praticavam. Os Salazar provavelmente eram católicos, motivo pelo qual temiam e perseguiam Los Illuminados, roubando até o item de adoração deles com o intuito de enfraquecê-los. A devoção da família Salazar ao cristianismo, e principalmente sua participação durante a Inquisição espanhola, pode ser percebida na decoração do castelo (tradicional no ocidente) e as infinitas ferramentas e máquinas de tortura.

Principal Objetivo: infectar com a Las Plagas todas as pessoas do mundo. Desse modo, Saddler poderia controlar a todos.  

Divindades: então, tem a Las Plagas, mas não dá para ter certeza de que os membros da seita eram levados a vê-la como um deus. Pouco provável, acho que idolatravam apenas o Saddler (eu estou falando antes da infecção).

Para ferrar RE de vez: seria a Las Plagas uma criatura alienígena?!
Principais adeptos: Ozmund Saddler, que eu já mencionei umas trocentas vezes, é o líder inquestionável do grupo, até porque ele detém a Las Plagas mãe, que controla todas as outras. Ramon Salazar, o outro figurão da seita, cresceu sem a presença dos pais no castelo, o que fez dele um alvo fácil para o culto. Ele também é alvo fácil para um tiro de Rocket Laucher, então não deixe de comprar a sua antes de enfrenta-lo.  Ok, eu dei meio que uma dica (que todo mundo sabe) para um jogo que tem quase dez anos de lançamento.

Grupos Xintó - Fatal Frame 
Antes de mais nada, vale à pena traçar as principais diferenças entre a religião de Fatal Frame e a dos cultos de Silent Hill, Siren e Resident Evil 4, dos quais eu falei anteriormente. Para começar, não há exatamente um grupo, uma seita religiosa nos cenários de Fatal Frame. O motivo é simples: a base religiosa da franquia é o xintoísmo, conjunto de crenças e ritos associados à construção histórica do Japão. O xintó diz respeito a práticas, a rituais, e não a livros sagrados e profetas, por exemplo, itens que fundamentam A Ordem e a Mana. Não há o misticismo, a busca incessante pelo caminho do paraíso, por deus. O xintó não se preocupa em fundamentar a existência humana (ainda que o faça) e nem de procurar a salvação, a remição dos pecados. O grande mote é assegurar a harmonia entre os homens e a natureza, manter o equilíbrio entre os seres, visíveis ou invisíveis, vivos ou mortos. É basicamente o que testemunhamos nos rituais de Fatal Frame, a busca para apaziguar as forças da natureza, para estabilizar energias positivas e negativas. Selar todo o carma da terra, por exemplo, para evitar uma grande catástrofe. A partir disso, qualquer ritual, sacrifício, amuleto ganha uma concepção totalmente diferente daquela que encontramos nos cultos, não só de Silent Hill e Siren, mas nos de outros dos quais escreverei ainda neste especial.

Mas não da para adequadamente sobre a religião na franquia da Tecmo sem abrir um parágrafo para tratar do xintoísmo.

O xintó é próprio do Japão. Quando eu digo isso, minha intenção é deixar claro que a religião nasceu e existe para explicar, além do povo e de seus costumes, a geografia do país - única e exclusivamente a daquele país. O que isso quer dizer? Quer dizer que existe uma religião no Japão que não tem interesse algum de explicar o resto do mundo. E isso, ao contrário do que parece, diz muito sobre o xintó. Diz, por exemplo, que ele não tem interesse nenhum em te converter (apesar de haver um episódio assim na relação Japão x Coréia) ou em tentar provar que sua religião está errada. O xintó ganhou força durante o século VI, junto com a primeira dinastia imperial do país. A bem da verdade, os mitos xintoístas serviram para atribuir caráter divino ao imperador nipônico e a sua família, afirmando-lhes como descentes de Amaterasu, a deusa-sol e divindade-mor da religião. Eu imagino que talvez um dos motivos pelo qual, em Fatal Frame, as mulheres desencadeiem papéis centrais na trama (como o de serem sacrificadas) seja por conta dessa relação com Amaterasu, pelo fato de o principal deus da religião ser uma mulher. O que pra elas, convenhamos, é uma merda de proporções nucleares.  

Os cenários da franquia acontecem em lugares que foram palco de algum (ou vários) rituais xintoístas que deram tudo, menos certo. De novo, não se trata exatamente de seitas religiosas, mas sim de pessoas que praticam xintó, uma religião que por milênios foi tida como oficial no Japão. Nada foi feito de maneira “ilegal”, tudo foi planejado por todos os envolvidos, até mesmo por aqueles que foram sacrificados (ao menos, até certo ponto). Todos sabiam que aquilo deveria ser feito. Nesse ponto, há certa similaridade com a seita de Siren, que praticava seus rituais abertamente, já que aquela era a vontade de todos os moradores de Hanuda.   O clã Himuro, no primeiro jogo, precisava realizar o Ritual do Estrangulamento para trancar a porta do mundo dos mortos e garantir o tal equilíbrio entre as energias da natureza, entre os vivos e os mortos.  O Ritual do Sacrifício Vermelho, a morte de um dos gêmeos, também buscava essa harmonia, por isso era praticada pelos habitantes de Minakami. A situação se repete em Kuze, o templo onde era praticado o Ritual do Empalamento ou na ilha Rougetsu, onde era realizado o Ritual Kagura.  

E aí vem os fantasmas, as almas penadas que não conseguem partir para o além. As assombrações, os mal-espíritos, ao contrário do que parece, não são anomalias, não são erros da matrix, são a prova de que existe estabilidade. Equilíbrio não é a inexistência do mal. O mal precisa existir, é por isso que, invariavelmente, qualquer ritual em Fatal Frame, dando certo ou dando errado, acaba em fantasmas. Ou o motivo pelo qual fazer o “bem maior” é praticar o “mal menor”, ou seja, salvar a todos é sentenciar alguns a uma morte brutal. O problema é quando você tem uma ruptura na porta que separa o mundo dos vivos e o dos mortos. Essa ruptura tende a aumentar e, se ela aumenta, a influência da morte sobre a vida se torna maior e, quando a influência de uma dessas forças se torna maior do que a outra, temos um desequilíbrio na natureza. E é provável que ela se auto corrija. Acontece que a natureza está pouco se fodendo para os vivos. E se, para se corrigir, ela tiver que extinguir toda a vida, fará isso automaticamente. É por isso que os Himuro, os habitantes de Minakami, de Kuze e Rougetsu, por exemplo, praticam esses rituais, fazem de tudo para amenizar a força que se sobrepõe (ou que tende a se sobrepor, que é a das energias negativas), eles não querem correr o risco de enfrentar o poder de autocorreção da natureza.  

Principal objetivo: garantir a eterna harmonia entre todos os seres, animados ou inanimados, vivos ou mortos.

Divindades: nenhuma. O culto à divindades não é a máxima do xintoísmo.

Principais adeptos: até poderia citar personagens como o Líder Himuro, mas como o caso em Fatal Frame não é o de uma seita específica (ou mesmo inteiramente de qualquer seita), não vejo motivos para escrever sobre eles aqui. 
Só para ilustrar: Reika Kuze do Fatal Frame III.
Então, é mais ou menos isso aí. Prometo que já estou terminando o especial. No próximo post, enrolarei menos. O de sempre: dúvidas, sugestões e tals deixem registrados aí nos comentários. Nós do VGD sempre lemos e respondemos!
Este Shibito está no post errado. É óbvio que ele não sabe disso. 

Gostou? Compartilhe:

  1. Sabe que esse tema religioso está me dando bastante interesse, mais pra frente pretendo usá-los em uns projetos, se você deixar o/

    No mais, eu adoro a religião do fatal frame. Eu tenho um medo esquisito dessas religiões orientais pq elas normalmente tem espíritos e eu tenho pavor disso. Simplesmente acho horrível imaginar que existem almas penadas perto da gente! Deve ter uma do meu lado e eu nem sei :v

    Ótimo post Dyego! Quero ver o que tem mais pela frente o/

    ResponderExcluir
  2. Simplesmente Fod...!!! Não curto nem um pouco os do resident evil 4 porque nunca vi graça ou complexidade neles, pelo menos não como as outras seitas ou religiões. Esse post do FF foi simplesmente incrível, eu mesmo não sabia de tanta coisa e esse lance metafórico da natureza como você falou, embora ache muito interessante o xintoísmo. Isso aliás foi tão longe que o imperador teve que assinar um documento que afirmava que ele não era o neto de Amaterasu coisa nenhuma, segundo li uma vez. Os japas também sempre foram muito supersticiosos.

    ResponderExcluir

ÚLTIMAS NOTÍCIAS!