Escrito por: Delacroix

Mansões mal assombradas e castelos medievais. Aqui estão mais dois cenários típicos de histórias de terror. Pisos lustrados, tapetes vermelhos e cortinas limpas, móveis impecáveis... A verdade é existe um segredo por trás de toda essa imponência. Um mistério que deve permanecer inviolado, confinado a cômodos secretos, ao magnífico saguão protegido pela enorme porta de entrada, ao jardim edênico, sempre soberbo, e aos muros elevados que o cercam. O problema é que cedo ou tarde esse segredo é descoberto. É aí que o terror realmente começa.

Eu sempre me perguntei o motivo de esse tipo de história, ambientadas em casarões antigos ou em castelos de pedra, ser tão recorrente, em qualquer ficção de terror. Há uma infinidade de filmes, livros e jogos que tratam disso. Casas assombradas por espíritos antigos, palcos eternos de um crime nunca efetivamente solucionado, paredes que presenciaram todo o tipo de horror, que ouviram todos os gritos e que foram manchadas, inúmeras vezes, pelo sangue de vítimas que ainda aguardam, insatisfeitas, o momento de sua vingança. A fachada perfeita para se conduzir pesquisas, desvendar os segredos da morte. E trazer os mortos de volta à vida. E de novo a pergunta: por que tantas obras de terror acontecem nesses cenários? E por que elas funcionam? Por qual motivo temos medo, de todos esses lugares? Uma das respostas é, sem dúvidas, a proximidade que elas estabelecem com nossas experiências. Nós crescemos temendo a escuridão do nosso próprio quarto, os ruídos da madrugada, o ranger da porta e o sibilo do vento em algum cômodo vazio. Nós crescemos tendo medo da nossa própria casa, com medo de sermos deixados, mesmo que por algumas horas, sozinhos no nosso próprio lar. E é esse medo que essas histórias exploram. Se somos assombrados pelo silêncio ou pelo ruído de dois ou três quartos da casa em que crescemos, multiplique isso por dez, por vinte. Imagine um lugar com trinta, quarenta cômodos, distantes uns dos outros, separados por corredores distantes, que parecem não ter fim. E que às vezes, infelizmente, talvez não tenham. Pior ainda: imagine-se nesse emaranhado de portas e escadas, imagine uma dessas portas rangendo, à distância. Ela está entreaberta, mas você sabe que ela deveria estar fechada. Você tem certeza disso, afinal, você mesmo a havia trancado. E as escadas? O som interminável de passos que ora parassem estar subindo ora descendo. Não importa em que andar você esteja, esses passos sempre parecerão mais próximos. E, por mais que você negue, eles estão.
Corredores longos, sussurros e passos que parecem vir de lugar nenhum.
Foto tirada na mansão que serviu de base para o livro e filme Horror em Amityville. 
Se eu fosse ficar aqui falando sobre as influências literárias e cinematográficas desse tipo de história para os jogos de terror, passaria uma eternidade escrevendo. E ainda assim não terminaria. Então, só para que conste, faço menção a O Iluminado, de Stephen King, além de outras de suas obras, o que inclui o seriado A Casa Adormecida, na qual ele roteiriza, a um trash da década de 80 chamado A Casa do Espanto, também a obras como Dracula, adaptação da obra de Bram StokerA Casa da Colina, Poltergeist, Os Outros, Horror em Amityvile, A Casa da Noite Eterna e O Grito. Eu aposto que vocês conhecem muitas outras dessas obras, então escrevam-nas aí, nos comentários.   
Adaptação de O Iluminado, original de Stephen King, um dos clássicos do cinema.
A Casa do Espanto mistura terror e comédia em uma mansão assombrada.
Baseado em fatos reais, Horror em Amityville (de 79) também é uma das referências do gênero.
Não dá para falar em mansões sem mencionar Resident Evil, a mais popular franquia da Capcom.  O primeiro jogo da série acontece inteiramente dentro de uma mansão infestada de zumbis e animais mutantes. Os segredos da mansão Spencer são desvendados quando membros da força tática de Raccon City, os S.T.A.R.S, são enviados para investigar a onda de assassinatos que permeia todo entorno das montanhas Arkley, uma imensa floresta da cidade, onde são conduzidos vários experimentos.
Resident Evil, um dos maiores expoentes do gênero, nasceu em uma mansão cheia de zumbis.
O jogo ganhou um remake para Game Cube. A versão remasterizada será lançada ano que vem.
Resident Evil não foi o primeiro jogo com essa temática (e não é o único de zumbis em uma mansão; não vamos esquecer de The House of the Dead, da Sega). Sweet Home, também da Capcom, lançado para NES em 89, é considerado seu mentor espiritual. A história acontece em uma mansão assombrada por espíritos e outras criaturas demoníacas. 
Nunca, em hipótese alguma, assista à adaptação cinematográfica de The House of the Dead.
Muitas das características de Sweet Home foram depois utilizadas em Resident Evil.
Assombrações também é o mote de obras como Clock Tower e Phatasmagoria, sem contar a popular série Fatal Frame, com mais um jogo (e também um filme) no forno. Em Fatal Frame, somos perturbados pelos fantasmas inquietos da mansão Himuro, vítimas de um crime não solucionado. Unvited, lançado originalmente para MAC, em 86, também merece menção.
Clock Tower foi inspirado em um filme chamado Phenomena, com a atriz Jennifer Connely,
Phantasmagoria, uma espécie de filme interativo.
Em Fatal Frame, confrontamos fantasmas com uma câmera mística. O quinto jogo está a caminho.
O detetive paranormal Edward Carnby e a arqueóloga Aline Cedrac também se envolveram com uma mansão assombrada em Alone in the Dark a New Nightmare, o quarto título da franquia. Nesse caso, porém, não apenas a mansão em que se passa boa parte do jogo, mas toda a ilha em que a trama ocorre, a Ilha das Sombras, está sendo habitada por entidades que emergiram do centro da terra.
Quarto jogo da franquia, boa parte de A New Nightmare acontece em uma mansão abandonada. 
Pior ainda é quando essas mansões são palcos para rituais bizarros. É o caso de Koudelka, RPG pouco conhecido de Playstation, que acontece em uma imensa mansão, à beira de um penhasco, transformada em monastério. O lugar era usado para torturar e executar hereges, além de ter servido para que seu antigo proprietário conduzisse uma série de ritos macabros. Isso se repete na West Mansion, da série Splatterhouse. Munido da sua famosa “máscara do Jason”, a Máscara do Terror, Rick enfrenta as maiores abominações para salvar sua namorada, Jennifer.
Koudelka, RPG cult de PS, A série Shadow Hearts, de PS2, é seu sucessor espiritual.
Splatterhouse teve uma versão para Xbox 360 e PS3 assinada  pela Namco Bandai.
Salvar moças indefesas em cômodos assombrados também é uma das principais características da franquia Castlevania, da Konami. Acompanhamos, por várias e várias gerações, a eterna luta entre os Belmonts e o Conde Drácula, Senhor da Noite e de todas as criaturas das trevas. Caso semelhante é o de Nosferatu, lançado para SNES. Lá, também invadimos um castelo amaldiçoado para resgatar a namorada do protagonista, também refém de forças malignas.
Uma das séries mais extensas do mundo dos games, Castlevania conta com mais de trinta títulos.
Aos moldes de Prince of Persia, Nosferatu é um ótimo terror de SNES.
O castelo da família Belli, de Haunting Ground, também é assustador. Para escapar de seus captores insanos, Fiona conta com a ajuda de Hewie, um pastor alemão albino. Não preciso dizer que o cenário esconde passagens secretas e segredos que deveriam ficar guardados a sete chaves.
Fiona acorda em um castelo habitado por uma série de maníacos e experimentos alquímicos.
É claro que há ainda muito do que se falar, mas, de novo, para o post não ficar muito extenso, resolvi dividi-lo em dois. Na segunda parte, falarei sobre as principais mansões e castelos assombrados (que aqui só mencionei), sobre seus mistérios e habitantes. Registe aí nos comentários as obras que você conhece, mas que não escrevi. Esperem pela segunda parte.  

Gostou? Compartilhe:

  1. Você disse pras pessoas citarem os filmes que se passam em mansões, e bem... Eu nunca vi nenhum filme de terror @_@ Nenhum. Nem de assassinatos, nem de monstros/assombrações e muito menos aqueles que tem alguma coisa relacionada a cultura japonesa <//3
    Não tenho medo de jogos, de histórias e de várias outras coisas, mas filme/vídeos me deixam completamente aterrorizado. E o pior de tudo é que eu nem sei o porque ;-; Nunca consegui assistir nenhum filme de terror na minha vida, e o mais próximo de terror que posso ter visto foram as adaptações de Silent Hill :c
    De qualquer maneira, existem vários jogos de RPG maker que se passam dentro de mansões, e eles são muito bons também :3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oxe Pedro, sério que você nunca viu nenhum filme de terror?
      Como você consegue?

      Eu, geralmente, só consigo ver filmes com essa temática, é incrível como eu não me canso disso!
      Tente assistir alguns, só assim teu medo passa... Hoje em dia eu não tenho mais medo disso (apesar de ficar com medinho depois quando vou dormir :v )

      Excluir
    2. O problema não é nem o filme em si, mas as coisas que aparecem nele ;-; Acho que é trauma de infância, porque uma vez eu tava me trocando pra ir pra escola (era umas 7:00 da manhã) e tava com a TV ligada na Globo. Então começou a passar um trailer de um filme que ia passar no Tela Quente, e eu olhei pra ver qual era. Era o Chamado, e pelo o que eu me lembre, a hora em que eu olhei mostrou a Samara agarrando o menino por trás, e eu quase desmaiei <//3 Além disso, teve outra vez que eu vi uma cena de um filme chamado REC (NUNCA MAIS VEJO ISSO ;-;) e eu me assustei demais. Fiquei umas 2 semanas sem dormir direito ;-;
      Eu também fico com medo na hora de dormir, me abrace *chora*
      Mas é o que eu disse, acho que eu peguei fobia por causa de traumas e de vídeos de susto no youtube (a.k.a. ghost car ou vídeo das 3 curvas)

      Excluir
    3. HIUSHAIUSHAIUSHIAUSHIUAHSIU

      Sei como é, lembro até hoje do primeiro filme japonês de terror que eu assisti (O Grito) e eu me caguei por umas semanas :v
      Não podia ver japoneses na minha frente que me lembrava do filme. Mas, depois eu assisti todos os filmes orientais que eu consegui achar e nem tenho mais medo (ou muito medo :v ). HUSIAHUISHAUIS

      Acho que é costume mesmo. Se criar coragem um dia, tente ver alguns filmes com outras pessoas em horários diurnos, talvez vc não se sinta tão desconfortável. Outra coisa que eu fazia no começo era assistir desenhos depois de ver filme de terror :v

      Excluir
    4. Filmes de terror são muito bons! Siga os conselhos da Morte, veja uns filmes com uma galera, pode ser de dia mesmo, para você se acostumar. Só tome cuidado com o filme que escolher, REC, por exemplo, é um filme que, mesmo sendo macaco velho, você se borra todinho!

      Excluir

ÚLTIMAS NOTÍCIAS!