Escrito por: Delacroix




Ah, esses russos...


Cold Fear (Darkworks, 2005) talvez seja um dos primeiros clones de Resident Evil 4, foi lançado apenas alguns meses depois para PS2, Xbox e PC. Aqui, encontramos a mesma câmera Over-the-shoulder (“atrás dos ombros”) popularizada pela franquia da Capcom. Eu me recordo de ter lido, na época, algumas críticas sobre o jogo. Lembro de a maioria delas condenar a similaridade na mecânica entre os dois títulos. Fato injusto, se observado hoje em dia, considerando que a perspectiva tornou-se absolutamente comum, um padrão em jogos do gênero.

Tom Hansen, o protagonista e... hã... É, alguém ameaçador.

Basicamente, a trama é protagonizada por Tom Hansen, membro da guarda costeira norte-americana (provavelmente o único com essa profissão, em toda a história dos jogos de video-game). Hansen é enviado para averiguar um pedido de ajuda vindo de uma embarcação russa e, bem, adivinha? É, da merda. Como sempre. Alguma coisa aconteceu e transformou a tripulação num bando carniceiro de zumbis. Se você acha que não há nada pior que enfrentar zumbis, imagine enfrentar zumbis-açougueiros russos. É. O enredo é batido, cheio de clichês e personagens chatos. Mesmo na história, há motivações que, descaradamente, vêm de Resident Evil (como, por exemplo, armas biológicas e o vilão que se infecta porque, Deus, isso faz o maior sentido do mundo!).

O visual do jogo é acima da média. Para a época, os cenários e os efeitos eram bem construídos e o design dos personagens, satisfatório. Apenas uma quebra ou outra de polígono em alguns momentos. Nada demais.
Zumbis-açougueiros-russos. Tenso.

O maior mérito da perspectiva “atrás dos ombros” é conseguir eliminar problemas de câmera. Essa perspectiva não existe o tempo todo em Cold Fear, apenas quando você empunha e posiciona a arma. Quando isso não acontece, manuseamos Hansen segundo o padrão de jogos da época: vemos o corpo todo do personagem, assim como temos total visão do cenário, não só o que está à frente. Nesses momentos, o controle é desengonçado e a câmera, muitas vezes porca.

Olha o Life. É, e tem mais lá embaixo.
De modo geral, não é um jogo complexo, nem novo. Ora ou outra é necessário fazer e refazer um mesmo percurso, encontrar uma chave para uma porta pela qual você já havia passado, acionar um botão, espoliar cadáveres e coletar diários. O típico.

A ambientação do jogo é ótima. O terror assusta, os cenários vão do claustrofóbico (dentro da embarcação) para lugares abertos e, mesmo assim, mal iluminados. É sempre noite, chove torrencialmente (a tempestade afeta a exploração, fazendo o barco revirar constantemente; funciona muito bem; há, inclusive, uma barra para que Hansen segure o trampo). O exterior é tão intimidador quanto o interior. A variação de inimigos não é grande (mas são zumbis-açougueiros russos, como falei; conta muito), mas todos contribuem para a atmosfera do jogo. Eles dão medo, o mais importante de tudo.  O som também está bem acomodado (com direito até a uma música do Marilyn Manson, no final)
O barco fica revirando, por conta da chuva. É importante sempre se segurar, do contrário, isso pode acontecer.
Importunar pessoas no banheiro também é uma das obrigações do protagonista. Por conta disso, Hansen, repita comigo: Eu-sou-um-o-tá...
Cold Fear não fez muito sucesso. Curiosamente, na época do seu lançamento, me recordo de vários burburinhos sobre uma suposta adaptação para o cinema. Experimente jogar hoje no Google: Cold Fear movie (ou filme, sei lá). Não encontrou nada? É, nunca mais se falou na tal adaptação. De todo modo, é um bom jogo. Não é autêntico (Cristo, e como não é!), mas o terror funciona muito bem.


PS: não esqueça de ver as artworks do jogo, nos extras. São muito boas. Sério, os desenvolvedores descartaram um monte monstros bacanas. 


Gostou? Compartilhe:

  1. [Gente, eu joguei esse jogo uma vez, eu achei ele divertidinho e gostei bastante dos debônios só morrerem com um tiro na cabeça. Mas a história prosseguia com uma narrativa horrível e o final do jogo era muito "só acabou". Eu não gostava da ubisoft por causa disso (não eu eu seja fã dela atualmente)]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem contar que a estratégia do Boss final é basicamente a mesma do Tyrant, do Resident Evil.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. o jogo é muito legal. ele foi um jogo para teste de engine(programa que cria jogos) como Dark sector foi. as empresas que criam engines fazen jogos que mostrão doque ela é capas sem se preocupar com o enredo.

    ResponderExcluir
  4. Agora eu já sei da onde saiu inspiração para Resident Evil Revelations.

    ResponderExcluir
  5. Realmente, acho que o RE Revelations foi uma suposta tentativa de melhorar o Cold Fear, mas eu não terminei ainda, então não posso dizer conclusivamente se é isso mesmo. HSIUAHSUAHUSI

    ResponderExcluir
  6. Se não me engano os 2 jogos (RE4 e Cold Fear) foram anunciados ao mesmo tempo, curto os 2, mas cold fear pode assustar bem mais que RE4.

    ResponderExcluir

ÚLTIMAS NOTÍCIAS!