Escrito por: Claudia MR


Olá gente! Hoje trago uma review de mais um maravilhoso jogo da Suda (amo <3) Killer is Dead! Um jogo para Xbox 360 e Playstation 3.

Eu sempre gostei MUITO dos jogos do Suda, pelo estilo único que eles colocam nos jogos e seus protagonistas nada convencionais. 

E Killer is Dead não fica nada atrás dos outros jogos. Seu combate lembra os jogos da série No More Heroes, também de Suda (aliás, ótimo jogo).


Você joga com Mondo Zappa (Mondo de novo, que nem o protagonista de 
Flower, Sun and Rain. A Suda até que gosta de repetir uns nomes :v), ele trabalha para um cara chamado Bryan (um negão gigante todo robotizado). Bryan é dono de uma empresa de execução, eles recebem clientes que os pedem para matar algum tipo de criatura muito bizarra. Além de Mondo, tem também a Vivienne e a Mika (Mika de novo, que nem a Mika do Moonlight Syndrome :v).



Vivienne é uma mulher que tem a habilidade de ficar com vários braços e atirar com todos eles, e também leva Mondo e Mika para as missões em sua moto. Já Mika é uma garota ''misteriosa'' que Mondo achou perdida na rua, ele a levou para sua casa e a deixou ficar, pois ela faz muito bem sua comida preferida (ovos). Mondo levou ela para a empresa como sua assistente, quando Mondo ''morre'' ela disfere vários socos nele, fazendo ele voltar (loucura. Bem estilo Suda mesmo).



Mondo é um protagonista que achei muito interessante. Um dia ele simplesmente acordou com um braço mecânico no lugar do original, e seu passado é desconhecido até por ele mesmo, mas ele vai se mostrando ao longo do jogo e vocês verão.




Ele é um protagonista bem ''sério'', apesar de poucas tiradas e seu grande gosto por mulheres (logo mais explicarei). Apesar dele não ser o único a trabalhar na empresa de Bryan, ele quem faz praticamente o serviço todo, Vivienne aparece para ''dar uma mãozinha'' vez ou outra, Mika o revive e Bryan só aparece em algum trabalho que realmente o interessa (mesmo assim, quase não faz nada). Mas, Mondo não liga para isso, e nem eu, a parte legal é matar todas aquelas criaturas bizarras sozinha mesmo.




Jogabilidade

Sua jogabilidade é ótima. Mondo tem uma katana e seu braço mecanizado tem vários acessórios e habilidades. Sua katana possui vários ataques, e Mondo tem muitas formas de defesa, bloquear ataques com a katana e se esquivar de todas as maneiras, coisa que acaba sendo muito utíl, pois pode render vários combos.



O jogo é cheio de efeitos de câmera lenta, sons bem altos e cores, coisa que 
gostei muito, deu toda uma emoção maior para o jogo e em seus combates. As fases são todas bizarras e cheias de estilo, assim como seus inimigos e chefes. Robôs esquisitos que as vezes não morrem do jeito convencional, é preciso de um ataque especial para cortá-lo no meio ou arrancar sua cabeça fora. 



Os chefes nunca morrem de primeira, você os ataca com um ataque final e eles voltam mais fortes. Eu gostei disso, deixa o combate mais divertido e até um pouco mais difícil.




Mondo tem sua barra de vida (que são uns diamantes), sua quantidade de sangue que são flores (serve para os ataques ''especiais'' e também uns cristais amarelos que esqueci o nome, que servem para comprar objetos na loja.




O jogo é dividido entre as missões e os sonhos de Mondo. Ele tem sonhos estranhos onde suas memórias voltam ou são corrompidas, muitas vezes em seus sonhos aparecem combates, que estão de muita forma ligados com sua missões normais.



Fora tudo isso tem as ''Gigolo Missions''. Exatamente. Nelas você se encontra com mulheres especificas e as conquista, em troca você ganha armas. Essas missões são muito engraçadas. Você precisa encher uma barra que eu também me esqueci do nome. Mas enfim, você a enche ''olhando'' para a mulher, isso mesmo. Você foca seu olhar em várias partes, desde seu rosto até suas pernas, mas tem que tomar cuidado na hora de olhar para partes ''suspeitas'', você só deve fazer isso quando ela não está olhando para você, senão você pode falhar. Quando essa barra se encher, você deve presenteá-la. Para isso que serve a loja (principalmente), cada uma gosta mais de coisas específicas. Normalmente são necessários dois presentes para encher a barra de corações, só quando isso acontece você a conquista.




São duas mulheres mais comuns, Natalia que é Brasileira e Koharu que é Japonesa. Fora elas tem a Scarlett, que é uma enfermeira que fica escondida no meio de suas missões, e você tem que achá-la para desbloquear desafios. 

Esses desafios podem ser acessados a qualquer hora, e para conseguir sair com ela você precisa completar uma barra de seringa, que vai enchendo conforme você completa seus desafios. Ela te da de presente um óculos, que te possibilita olhar por baixo das roupas das garotas nas missões gigolo.




Tem também a Betty, mas você só consegue ela comprando as edições especiais do jogo.




Falando na loja, outra coisa que você pode comprar lá são os ''Mika Tickets''. Ela te revive, mas não é de graça. Na verdade, em todas as missões você já tem três tickets garantidos, só é necessário comprar se você for precisar de mais.

DIZEM que a Juliet (de Lollipop Chainsaw) está escondida em algum lugar desse jogo. Não sei em que papel, mas parece que tem um concurso no Japão que você até ganha prêmios quando encontrá-la.




Enfim, eu simplesmente amei esse jogo. Suas missões nada convencionais (como ir a lua) me conquistaram muito. Seus cenários são extremamente criativos e bonitos. Suas músicas também são ótimas dando o clima perfeito, e seus inimigos são diferentes e bizarros. O jogo apresenta até que boa quantidade de cut-scenes. O combate pode se tornar repetitivo, mas nada que canse. Não achei grandes defeitos para apontar no jogo, apenas o fato dele ser curto. Eu achei o jogo curto, claro que pode demorar mais com você completando, fora as missões da Scarlett, outras que você desbloqueia durante as missões, mas achei meio curto mesmo assim.




O que importa é que vale muito a pena jogar!

Até mais pessoal <3

Gostou? Compartilhe:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS!