Escrito por: Gabriel Cavalcante

A Claudia já falou sobre esse RPG Maker brevemente no meio de outros downloads, então venho aqui hoje falar mais profundamente de um dos meus jogos favoritos de todos os tempos!

Moga é uma pessoa no mínimo curiosa e um tanto bizarra pelo que mostra em seus trabalhos. De sua mente saem as histórias mais simbólicas e bem trabalhadas que já vi no meio indie - e muitas vezes apenas um bando de maluquices mesmo. Um de seus primeiros trabalhos foi I'm Scared of Girls, ganhador de um concurso de verão no RMN e, na minha opinião, um dos jogos mais simples e belos já elaborados por uma única pessoa num pequeno espaço de tempo. O game conta a história de Lamb que, após sua morte, precisa cortar as amarras de sua vida anterior para que possa renascer. 


Eu parecia tão andrógino que poderia ter saído de uma nuvem ao invés de uma pessoa. - Lamb

O que provavelmente pode chocar alguns jogadores é o desenrolar suave da história e a exposição de fatos que podiam ter acontecido com nossos vizinhos, amigos, ou até mesmo algum parente. A princípio Lamb parece uma garotinha fofa e perigosa, porém logo fica claro que na verdade Lamb é um garoto crossdresser (tipo o cartunista Laerte) que "vê coisas". As tais amarras que ele tem de cortar para se libertar de sua vida passada são acontecimentos bastante pessoais que explicam quem ele é e como chegou à sua morte, passando pouco pela família e mais pelos colegas de escola, tais como Angelica e o incrível Conor, com quem teve uma relação conturbada. A versão do concurso e a versão final têm conclusões diferentes, a do concurso sendo algo apressado e não muito convincente e a final sendo mais simbólica e profunda. Ambas valem a pena, mas é importante lembrar que a versão do concurso é cheia de bugs e pode não ser lá tão agradável se comparada com a final. 

Provavelmente um dos primeiros conceitos de Lamb,
encontrado nos diretórios do jogo.
Purgatório? Talvez...

O design de ISoG foi inteiramente feito por Moga no decorrer de alguns dias (o tempo pedido pelo concurso), tudo muito original. A palheta de cores escolhida não remete a temas muito alegres, principalmente quando vamos cada vez mais fundo no purgatório psicodélico no qual Lamb caiu, mas é impossível não se encantar com cada detalhe desse mundo quebrado cheio de monumentos geométricos, televisores e criaturas amorfas dóceis à primeira vista - só à primeira mesmo. A trilha sonora se encaixa como uma luva nos mais diversos momentos, contando principalmente com Kevin MacLeod e Aliceffekt (bons tempos aqueles em que o Devine nos deixava usar suas músicas livremente...) através da lindíssima licença Creative Commons. Só faltou assinar contratos pra tornar tudo o mais oficial possível!


"Por que o boneco não desce a escada, POR QUÊÊÊ???" - Eu

Apesar de toda a aura impura e ao mesmo tempo linda que paira ao redor de Lamb, o game peca na jogabilidade. Por ser mais baseado em exploração, algumas pessoas podem achar que é um fan game de Yume Nikki e que teria uma jogabilidade similar, mas não é bem assim. Há, de fato, alguns outros vestidos espalhados por aí que Lamb pode usar, dando-lhe diferentes efeitos visuais quando ataca seus inimigos ou até mesmo quando anda, mas isso não passa de um fator estético - eles nem são importantes como os efeitos de Yume Nikki e seus fan games, tampouco são diretamente relacionados à história; seriam como os diferentes vestidos dos quais podemos escolher em Alice Madness Returns, mas sem qualquer efeito de status. No entanto, os movimentos do personagem não respondem muito bem e alguns comandos são de certa forma desnecessários, como termos que selecionar uma escada para subi-la ou desce-la ao invés de só sair correndo como loucos - e acabar tropeçando, quebrando o pescoço e virando a loira do banheiro, só que não - e o falho sistema de combate que responde terrivelmente mal dependendo de onde atacamos o inimigo, podendo causar mortes ridículas e minutos de frustração. A versão final ganhou uma atualização que, segundo Moga, corrige vários desses problemas no sistema de combate, mas o próprio código do sistema é um pouco falho, fazendo você se aproximar do inimigo para atacar automaticamente nos lentos movimentos de Lamb: se acertar e calcular quando deve atacar bem direitinho, é vitória na certa, mas se não, o inimigo pode te dar tantos golpes consecutivos que você nem vê quando morre. Não faltasse isso, ainda tem as pedras que coletamos ao decorrer do jogo (qual o propósito delas, Altana?), a tal porta dentro de alguma coisa (não encontrei termo melhor pra descrever aquilo) que nunca consegui abrir e a tal loja secreta nos confins do purgatório que ninguém sabe direito como funciona.



E por que é um dos meus jogos favoritos? Bem, me surpreendeu que um cara hétero (casado com uma mulher tão louquinha quanto ele) tenha criado uma história tão sensível e realista - digo, algumas das coisas que aconteceram com Lamb. A profundeza dos problemas de Lamb me atingiram de uma forma que não sei explicar, e agora pronto. Se alguém pergunta qual meu jogo favorito, não penso duas vezes antes de falar I'm Scared of Girls! O chato é ter que explicar o que é, porque o povo super ligado em gráficos HD é tão interessado em jogos independentes como esse - só que não. 



!!!BÔNUS!!!

De certa forma algo nada a ver, mas fiquem aí com a edição de Natal do cosplay de Lamb que fiz em PHANTASY STAR ONLINE 2. (O nome do char é realmente Lamb e o fiz em um corpo feminino por ser meio impossível fazer um homem afeminado naquele jogo, ainda mais pra usar vestidos... Tentei fazer as proporções o mais másculas possível, mas no final das contas é uma mulher toda em certos vestidos...)


Gostou? Compartilhe:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. O game parece bem chamativo, embora não seja muito a minha praia. Lembrei agora do Never Ending Nightmare, talvez pelo fato de a história girar em torno de uma mulher. Enfim, ótima review e desculpa comentar tãããão tarde!

    ResponderExcluir
  3. O game parece bem chamativo, embora não seja muito a minha praia. Lembrei agora do Never Ending Nightmare, talvez pelo fato de a história girar em torno de uma mulher. Enfim, ótima review e desculpa comentar tãããão tarde!

    ResponderExcluir
  4. O game parece bem chamativo, embora não seja muito a minha praia. Lembrei agora do Never Ending Nightmare, talvez pelo fato de a história girar em torno de uma mulher. Enfim, ótima review e desculpa comentar tãããão tarde!

    ResponderExcluir

ÚLTIMAS NOTÍCIAS!